Braço do Norte


Características  

Colonizada por italianos e alemães, Braço do Norte é a Capital Sul-Americana da Moldura, caracterizando-se também por produzir a melhor carcaça suína do Estado.

» Data de fundação - 22 de outubro de 1955.
» Data festiva - 22 de outubro (aniversário da cidade).
» Principais atividades econômicas - Agricultura, indústria de
transformação e pecuária.
» População - 29.845 habitantes.
» Colonização - Alemã, Portuguesa e Italiana
» Localização - Sul do estado, a 173 km de Florianópolis.
» Área - 221,7km2.
» Clima - Temperado, com temperatura média entre 15ºC e 35ºC.
» Altitude - 66m acima do nível do mar.
» Cidades próximas - São Ludgero, Gravatal, Tubarão, Armazém, Rio Fortuna e Grão-Pará.

História

Braço do Norte começou a ser povoada com a chegada dos imigrantes alemães, em 1870. Em 1875 chegaram os italianos e, em 1876, os portugueses. A partir daí a localidade começou a desenvolver-se rapidamente. A primeira igreja - e única durante muito tempo - foi a Capela Santa Augusta, inaugurada em 1887. Em estilo gótico, encontra-se totalmente preservada, assim como outras construções da época.

 
Turismo

Braço do Norte, como todas as cidades de origem européia, preserva a tradição das festas em homenagem aos imigrantes. Entre elas destaca-se a Festa de Santa Augusta, realizada há mais de um século. A capela em homenagem à santa foi inaugurada em 1887 e construída por um devoto italiano em agradecimento por uma graça alcançada. É feita de barro amassado, assim como as imagens em seu interior. Outros lugares que merecem uma visita são a Igreja de Nosso Senhor do Bom Fim, erguida na década de 1930, em estilo gótico, e a Gruta Nossa Senhora de Fátima, situada na comunidade do Azeiteiro. O caminho até a gruta é rústico e nele é possível encontrar as 15 estações da Via Crucis e uma bela cascata.
FEIMBRA - Feira Multi-Setorial de Braço do Norte e Região.
Feira Bianual realizada nos anos ímpares atrai milhares de visitantes à Braço do Norte.
FEAGRO-Vale - Feira e Exposição Agropecuária do Vale do Braço do Norte e Região.
A Feira é realizada anualmente no parque de exposições Humberto Oenning e recebe visitantes e expositores de diversos lugares do estado.

Infra-estrutura turística - A cidade está apta a receber turistas, com infra-estrutura tímida, mas confortável, e com excelente atendimento. Há vários pesque-pagues no interior do município.

Destaque

Visite a Capela de Santa Augusta, toda construída em barro amassado pelo pedreiro italiano João Batista da Uliano, que teve a saúde restabelecida depois de rezar para a santa de sua devoção. As imagens da capela foram modeladas e pintadas pelo próprio João Batista, que utilizou pêlo de porco e crina de cavalo em sua confecção.

 
Serra do Corvo Branco

O município dispõe de acesso à serra do Corvo Branco, do alto da qual, em seus 1.470 metros de altitude, consegue-se avistar boa parte da planície catarinense e várias formações de cânions e vales profundos.

O nome se dá por causa de uma lenda que fala de um caboclo, que andando por aqueles lados achou um ninho de pássaros brancos. Levou-os para casa. Os pássaros foram crescendo e tornaram-se pretos. Eram Corvos! Olhando para as suas encostas íngremes, você poderá perceber a figura do corvo. Uma obra muito importante, incrustada na rocha pela mão do homem e pelas máquinas. Ligando Urubici ao litoral sul do estado.

A estrada de terra que despenca da boca da Serra levando a colheita de hortaliças do vale do Rio Canoas até o litoral, é a SC 439, e termina em Tubarão na BR 101. Descendo as primeiras curvas fechadas e alguns km abaixo, vislumbra-se uma das paisagens mais impressionantes da Serra Geral e do Sul do Brasil. Além dessa estrada, existem outras trilhas reservadas para caminhadas, mountain bike e cavalgadas. De cima dos peraus, na encosta da Serra, num desnível de 1000m, tem-se a visão do Morro da Igreja e do litoral. Não muito longe, a cachoeira do Corvo Branco despenca no pequeno vale da Casa de Pedra, esperando uma descida de rapel. A apenas 5 km deste local e já dentro do cânion do Rio Canoas o Refúgio de Montanha Rio Canoas e a Corvo Branco Expedições servem como ponto de apoio para todas as atividades de ecoturismo na região.


Serra do Rio do Rastro

Um dos mais belos cartões postais do Estado, a Serra do Rio do Rastro embeleza ainda mais este portal da região serrana, Bom Jardim da Serra. Um dos municípios mais frios do país possuindo uma das mais belas topografias do Estado. Além do frio e da neve, a cidade é também chamada de "Capital das Águas", pelo grande número de rios que nascem no município.

Foi presenteada com um cenário de encher os olhos: cascatas naturais e morros enormes cobertos de uma vegetação intocada. Do mirante se pode contemplar a beleza dessa região privilegiada e os contornos incríveis dessa estrada. São 12 Km de serra, concretada para facilitar o tráfego, especialmente em dias de neve e geada. É uma das mais belas paisagens de Santa Catarina e, com certeza, uma das mais belas serras do Brasil.

A lavoura e a fruticultura são as principais atividades econômicas do município, sendo o terceiro maior produtor estadual de maçã. Possui grande potencial turístico, graças ao clima da região e ao raro conjunto de atrações naturais. A pureza da água, a abundância de recursos hídricos e o clima favorável à criação de algumas espécies de peixe, como a truta, são fatores de destaque, como a privilegiada localização geográfica.

 

Termas do Gravatal

As ricas águas termais de Termas do Gravatal são radioativas e tem a capacidade de vazão de 2.000 litros por minuto a temperatura de 37°C. São indicadas para o tratamento de reumatismo, asma, bronquite, úlcera, cálculo renal, hipertensão, entre outros.

As três principais características da água mineral de Termas do Gravatal: A Temperatura Média (isotermal 37°C), a Radioatividade na fonte (24,8 Unidades Maches) e a escassez de sais minerais (oligomineral). Ela também é levemente bicarbonatada carbogasosa. As características físicas, físico-químicas e químicas da água são adquiridas durante a sua passagem pelas fraturas da rocha granítica encaixante. A temperatura da água mineral do Gravatal pode ser atribuída aos seguintes fatores:
a) gradiente geotérmico;
b) à influência de águas juvenis e vulcânicas;
c) a reações físico-químicas;
d) à desintegração de elementos radioativos.

Em áreas de costa continental estável, onde existem evidências de vulcanismo recente, considera-se em média, que a cada 33 metros de profundidade que desce, o gradiente geotérmico, no termômetro, aumenta de 1°C.


O gradiente geotérmico começa logo abaixo dos 20 metros que ainda sofrem influências da temperatura ambiente, de superfície. É bem provável que a água mineral do Gravatal, antes de aflorar novamente em superfície, desça a uma profundidade mínima de, pelo menos, 1.241 metros 20 + (37°C x 33 m/°C), abaixo do solo. O vulcanismo também apresenta importância no aquecimento das águas juvenis quentes, como pela influência que exerce sobre a temperatura da crosta continental e, conseqüentemente, das águas circulantes.


Certas reações químicas como oxidação ou mesmo hidratação (de minerais) bem como o decaimento isotópico de metais radioativos podem, também, contribuir com o aumento da temperatura (termalismo) das águas minerais.
    Acredita-se que a radiatividade da água mineral de Termas do Gravatal (24,8 UM), bem como das demais águas radiotivos da Província Thermo-Radioativa do Sudeste Catarinense, provenham também da incorporação do gás radônio (86RN238), mais precisamente do metal rádio (88RN226), contido nos minerais acessórios (esfeno, zircão, monazita, apatita, ilmenita, etc...) dos granitos e principalmente dos granitos alcalinos do embasamento. Salienta-se que a meia vida do radônio é de apenas 3,8229 dias e que após este período ele se transforma em um semi-metal, o polônio (84RN218).

 

   

DISTÂNCIA DE BRAÇO DO NORTE À:

SÃO PAULO
868 Km
RIO DE JANEIRO
1295 Km
PORTO ALEGRE
364 Km
CURITIBA
460 Km
FLORIANÓPOLIS
170 Km
CRICIÚMA
70 Km
TUBARÃO
35 Km
TERMAS DO GRAVATAL
10 Km
SÃO JOAQUIM
140 Km
LAGUNA
60 Km

Como Chegar

Para quem vem do litoral, o acesso é pelas rodovias BR-101/SC-438, passando por Gravatal. Para quem vem do oeste, passando por Lages, o acesso é pela BR-282/SC-438.